Fases da Lua

As pessoas que conhecemos, fazendo parte de nossa vida e andando conosco, haja o que houver. Afinidades, amores, cumplicidade, desejos, objetivos, sintonia e ajustes, numa química que funciona, enquanto for possível.


Splendor in the Grass - Clamor do Sexo - Elia Kazan (1961)

As experiências de tanta gente que se encontra, no momento exato, como em uma orquestra. A família que nos acolhe e suporta, em todos os sentidos. A melhor amiga, da qual depende nossa “vida”?! O amor que embala nossos sonhos, mais fantásticos, de felizes para sempre. 
Os parceiros de aventuras, amigos da escola, das baladas e “furadas”. Os quase anônimos que cruzam nosso caminho, as pessoas especiais que nos “marcam” para sempre.


Peter's Friends - Kenneth Branagh

Necessidades de cada um, promovendo laços e reconhecimentos importantes para toda vida. Conviver, repartir, doar, experimentar e todos os verbos e conjugações que você se permitir, recheados de sentimentos, para crescer e aparecer.


Namorados para Sempre - Derek Cianfrance

Então, ao olhar para trás, vemos que pessoas são fases na vida. Algumas serão constantes, mas, outras passam, exatamente como deve ser. 
Elas serão imprescindíveis, em ocasiões que permanecem na nossa memória. Somos resultado de equações humanas que exercitamos. Como na matemática, a base é tudo, as operações fundamentais que nos permitem realizar o possível.

 
Peggy Sue Got Married (1986) – Francis Ford Coppola

As sessões nostalgia que, na grande maioria, devem durar o tempo de uma festa, uma música ou o abrir de um álbum de fotos. Melhor deixá-las conservadas e lindas. Fotos impressas, porque em HD ou afins, você esquece, deleta ou perde.
Voltar a ser criança é uma fria. Pergunte ao Benjamin Button.  Além disso, a criança está aí, mas não vá dizer “gugudada”.



Cry me a river - Ella Fitzgerald

E aquele momento, quando você “ama” alguém, desesperadamente. Você tem certeza do amor que sentia? Pede pro santo, faz promessas, chora rios de lágrimas e quer porque quer...Graças a Deus, o santo não te ouviu!

Chico Buarque - Vai passar (1984)

4 Responses so far.

  1. Amiga sexo, este post sobre fases trouxe-me a lembrança de uma amiga que fala assim: sou uma mulher amalgamada pelas décadas, portanto, sou uma mulher de décadas, então; dos 10 aos 20 anos, eu era a mulher da minissaia, dos 20 aos 30, a mulher do tesão, dos 30 aos 40, mulher da indumentária, dos 50 aos 60, a mulher avó, depois, bem, tenho de esperar...
    Independente dos meus recuerdos, gostei muito do teu post.
    Um grande abraço. Tenhas um lindo dia.

  2. Oi, Dilmar!
    Somos tudo isto e muito mais.

    beijo

  3. ANA ROOS says:

    Gosto do jeito que escreves aqui, dos vídeos, trailers de filmes, mas principalmente suas palavras...
    É verdade a criança interior de um adulto não diz gugu dadá mesmo, a minha me faz acreditar, que apesar de conhecer pessoas, amar pessoas, deixar pessoas, conhecer outras, amar de outra forma, tentar esquecer, desistir de esquecer, guardar no fundo do peito, cultivar a saudade, o tempo de uma música, ou de uma semana, um dia tirar o álbum... Enfim viver!

    Beijos carinhosos...

  4. Oi, Ana!
    Eu tento dizer de forma sutil, mas, algumas coisas, eu digo de maneira mais escancarada. Meu jeitinho,hehehe. É assim que funciona comigo.
    Fico com a sensação de dizer pouco ou dizer muito!
    Vai que caiba na lógica de alguém.

    beijo

Leave a Reply

Prazer em conhecer!